No Tocantins, o turismo é aliado do desenvolvimento sustentável

26 Oct 2017

 

O Tocantins cairá em breve no gosto popular. O estado e suas belezas naturais, como o Parque Nacional do Jalapão, são pano de fundo para a novela O Outro Lado do Paraíso, da Rede Globo. Para além de seus encantos, o mais jovem estado brasileiro, criado com a promulgação da Constituição em 1988, tem investido recursos e esforços para oferecer melhores serviços à população e também aos turistas, que devem se multiplicar com a estreia do novo folhetim. Em parceria com o Banco Mundial, por meio do projeto Desenvolvimento Regional Sustentável Integrado do Tocantins, o governo do Estado tem promovido diversas ações com o intuito de estimular o desenvolvimento local e estadual, em setores como transportes, agricultura, pecuária, educação e turismo. Ao todo, o programa beneficiará mais de 300 mil pessoas, distribuídas em 72 municípios, incluindo 13 mil indígenas e 7,5 mil quilombolas. Se a ficção de fato fizer do turismo a principal porta de entrada para o estado, posto ocupado até então pelos agronegócios, não pegará despreparados os trabalhadores do setor. O projeto deu origem a um conjunto de medidas para receber melhor o turista, facilitar a atividade das agências operadoras, mapear riscos e também oportunidades no setor. O primeiro grande passo dessa estratégia é a criação do Observatório do Turismo, que permitirá contabilizar o número de visitantes recebidos pelo estado, e analisar os serviços prestados, gerando assim uma rede de informação que permitirá que agências de turismo e rede hoteleira tenham dados concretos para promover a melhoria de seus serviços. “Hoje, as pesquisas sobre a qualidade do serviço turístico são feitas de maneira irregular, contando muito com a ajuda dos guias”, explica Mauricio Fregonesi, diretor da Unidade de Gerenciamento de Projetos do Estado do Tocantins. “Vamos implementar pontos fixos de pesquisa nas principais atrações turísticas, hotéis e outros locais públicos, permitindo que o visitante dê sua opinião com facilidade e quando melhor lhe convier.” Uma vez compilados os dados, os profissionais do observatório realizarão análises regulares, cujos resultados serão apresentados às empresas turísticas e à rede hoteleira em seminários ou capacitações. Para os que não puderem comparecer aos encontros, a Secretaria de Turismo está desenvolvendo um aplicativo, que servirá de repositório de informações sobre o setor, trazendo desde a lista de hotéis até as análises qualitativas dos dados. “A ideia é difundir o máximo de dados para que as empresas identifiquem onde é possível melhorar e onde há oportunidades de aumento de ofertas de serviços”, diz Fregonesi. Destino número um do estado, o Parque Nacional do Jalapão recebeu melhorias na estrutura de seu entorno – como a reforma de praças – e capacitação para a população local que trabalha com turismo. Outro local que vem passando por mudanças é o Parque Estadual do Cantão, uma área de cerca de 90 mil hectares que reúne três diferentes biomas: cerrado, floresta amazônica e pantanal. Nele, o projeto está ajudando a construir uma trilha de arvorismo e uma tirolesa.

Read full article at Worldbank

Menu